Tentante e seus lutos!

Ser uma ‘tentante…não é um “estado” fácil. Mulheres tentantes, em todas as suas diversidades, navegam entre os investimentos emocional, físico e muitas vezes financeiro para conseguir engravidar e o – “não foi desta vez”. Lugar intermediário entre as não grávidas e o universo das grávidas.

É passar por ginásticas mentais das expectativas, dos hormônios, prazos e controles quando na reprodução assistida. Em algumas delas, amor marcado, sexo encomendado. Ainda que esta mulher tenha sua rede de apoio, seja SOLO ou que o plano da maternidade seja em conjunto, também é algo corporal, sobre seu corpo, casa, lutos.

Lutos presentes no contexto da busca pela maternidade. Lutos emocionais de papéis, luto do “não engravidar naturalmente para quem buscou esta possibilidade, lutos emocionais nas descobertas de delicadezas do corpo que dificultam este desejo. Lutos daquele embrião que se foi. A cada resultado negativo, uma entrega, uma despedida e um recomeço.

Muita gente costuma dizer “isso é coisa da sua cabeça, quando desencanar, vai engravidar”. Ainda que não seja esta intenção, existe a culpabilização sobre a mulher. Mas, será que cuidamos da saúde mental dessa mulher?
Como apoiamos esta mulher tentante? Respondemos

automaticamente “Ah logo logo você engravida” ou a

acolhemos, emprestamos nosso tempo para acolhe-la?

Existe apoio profissional neste caso? A resposta é sim,

porque na busca por querer engravidar, para além dos

processos físicos, vários processos emocionais estão

presentes. Não podemos olhar o individuo

separadamente.

Olhar para os processos emocionais envolvidos é também cuidar desta pessoa importante, que é você. O atendimento psicológico pode ser um auxilio técnico importante tambem uma forma de ajudar a compreender os processos emocionais envolvidos nesta busca.

Você é tentante? Como está o seu lado emocional neste momento de tentativas?

Daniela Andretto